12 de jul de 2009

A Porta


O que existe atrás da porta é um mistério. É uma porta comum, de madeira escura com fechadura e maçaneta dourada envelhecida. O menino a olha com aquela atração que tudo que é desconhecido nos desperta. Sempre fechada, a porta. A chave ele nunca vira, nem mesmo sabia se era grande ou pequena ou se andava num molho com outras chaves ou solitária. Aquela porta embaixo da escada o fazia sonhar com coisas mágicas e a ter pesadelos com monstros inimagináveis, mas durante o dia somente despertava sua eterna curiosidade. Queria abrir a porta e fazer jorrar a luz do sol em cada canto escuro, mas não podia, pois estava sempre trancada. Mamãe dizia que se guardavam “coisas” ali dentro, mas nunca dizia que coisas eram. Que segredos pediam para ser guardados atrás de portas trancadas? Ouvira um dia seu pai falar de esqueletos em armários, seria isso afinal? Às vezes ele esquecia da porta, passavam meses sem que pensasse nela, mas um dia, atravessando o corredor, lá estava ela parecendo brilhar no corredor escuro. E tudo voltava. Em uma noite de festa, noite em que deveria se retirar cedo e dormir sem incomodar os adultos, se esgueirou até a escada e ficou observando todos se divertirem. Viu sua mãe ir e voltar da cozinha carregando bandejas com coisas apetitosas e seu pai preparando drinks na sala. E então aconteceu o inimaginável. Sua mãe abriu a porta e entrou na sala mágica. Ele não podia respirar. Enfim saberia. Ela saiu com uma caixa nas mãos e foi para a cozinha, momento que ele aproveitou vendo a porta entreaberta para correr escada abaixo e entrar como um tufão no pequeno armário. A luz acesa mostrava prateleiras de copos de cristal, pratos de louça fina e caixas de talheres que reluziam como jóias.
“O que você faz aqui amigão? Não deveria estar na cama?” Sua mãe o pegou no colo e o levou para seu quarto o colocando na cama. “Agora nada de levantar de novo. Boa noite, querido.”
O sono demorou a vir, o mistério se acabara de maneira abrupta e ele lamentava essa perda. Finalmente seus olhos cansaram de olhar a escuridão e logo foi tomado por sonhos de tesouros por trás de portas fechadas que brilhavam à luz de lanternas.
Por muitos anos ainda, depois daquele dia, sua brincadeira preferida era a caça ao tesouro e a caverna onde este se encontrava era bem guardada por uma porta comum, de madeira escura com fechadura e maçaneta dourada envelhecida.
.

Nenhum comentário: