18 de mai de 2010

Observações


A filha da senhora do 4º mora no 16º, mas é a senhora do 4º que passeia com o pequeno cão dela, isso quando não está passeando com o seu que é velho e mal humorado. A senhora do 4º é argentina, acho, e tem a disposição inversa ao seu cão. A moça do 10º usa saltos mesmo depois que chega em casa. Eu a ouço andar sem parar pela casa, tec tec tec, e me pergunto se ela não tem uma havaiana ou se gostaria de uma. Ela também gosta de arrastar moveis às 3 da manhã e eu a sigo de olhos no teto fazendo pequenas sugestões “A cama não fica bem ai, vire ao contrario e ponha a mesa do computador embaixo da janela.” O rapaz da cadeira de rodas mora no 8º, sempre é simpático mesmo quando o elevador lota e alguém quase cai em seu colo. A grávida do 13º tem dois cães e sempre comenta as musicas que escuto quando chegamos à garagem juntas. O senhor do 2º parece julgar que todos são possíveis seriais killers ou ao menos batedores de carteira. Minha vizinha, 9º, tem duas filhas, uma neta e o Chico, seu cão, que parece ter sempre algo a me dizer quando entro e saio de casa. Os jovens do 5º adoram futebol e graças a Deus torcem pelo time certo, pois do contrario suas comemorações escandalosas incomodariam. A jovem do 11º é antipática, talvez a saia muito justa e curta esprema seu cérebro. O garoto do 3º gosta de bola e de mais dois amigos. A mãe do 15º deixa o filho mais novo se vestir para ir a escola o que resulta em uniforme, óculos escuros e boné do Tigrão ( amigo do urso, não o meu irmão, mas o Puff) com orelhas e rabo. Mãe e filha do 17º pensam são melhores que os outros moradores somente por morarem no último andar, a senhora do 4º me assegura, pela careta que lhes faz pelas costas, que isso não é verdade. A cadela do 10º, algo entre um labrador negro e um vira-lata, ama me ver no elevador, alias ama qualquer um que fale com ela e coce ali bem atrás da orelha. O basset do 5º está velho e não quer papo, uma vida inteira olhando para a canela das pessoas deve tê-lo cansado. O porteiro da tarde gosta de papo, o da manhã gosta de acenos, o menino que tira o lixo gosta de pedaços de bolo na sexta-feira, o porteiro da noite olha com inveja para as caixas de pizza, o zelador instala lustres, chuveiros, varões de cortina e sempre cobra metade do preço que cobrariam por ai. Às vezes o elevador tem problemas. Às vezes os dois elevadores têm problemas. Às vezes falta luz, mas a subida pelos nove andares é sempre divertida. Os passos acima da minha cabeça me dizem que é hora de começar a relaxar e preparar o corpo para outro dia. Boa noite.
.

8 comentários:

Celso Ramos disse...

Olá Andréa!!!!
Seu texto me lembra o documentário que não me lembro o nome, do Eduardo Coutinho....ah! edifício Master..você já deve ter visto...se não viu veja. também moro em um mundo vertical e as figuras são inusitadas. Até hoje me pergunto porque alguns moradores adoram fechar estupidamente a porta, ouvimos daqui di 4º andar a batida lá do 10°!!!! Em cima da gente até o ano passado havia uma república de meninas ..todo final de semana era pancadaria...!!!!
Aproveito o ensejo para te convidar a visitar os trabalhos de meus alunos nos seguintes endereços:
http://savianarte.blogspot.com
http://salgadarte.blogspot.com
abraços!!!
Ps. perdão mas esse negócio de colocar as letras para públivcar conentário é chato!!!

Eu... disse...

Olá Andréia.
Estou aqui apenas para informar que o meu blog já não exite mais.
Por bons motivos.
Logo estarei com um novo e com identidade. Abraços

Celso Ramos disse...

Valeu!!!
Você retirou as letrinhas....muito bom. Ando meio atarefado portanto só postarei no dia 3.06. abraços!!!

Mosntrinha disse...

Que leitura deliciosa!
Uma Cidade vertical! Esse prédio redera um ótimo livro!

Anônimo disse...

Olá Andréa! Após incontáveis anos, já quando não me lembrava como é bom ler os textos que você escreve, notei que não esqueci o nome do seu blog, e hoje, me lembrando de algumas coisas que eu adorava fazer na internet à um tempo atraz, lembrei desse interessante nome: "com o pé na cova", coisa que me trouxe saudade e me levou a curiosidade de saber se você ainda mantinha o blog. Fiquei muito feliz em ver que ele não só continua existindo, como também seus textos são cada vez mais interessantes. Suas palavras são praticamente uma prisão aos olhos de quem lê. Só fico triste de ter deixado outras coisas tomarem conta do meu tempo ao ponto de eu passar tantos anos sem poder fazer as desejáveis visitas diárias como outrora e ficar ansioso por mais atualizações. Tentarei sempre que possível, estar visitando e comentando. Um abraço!
Everton de Oliveira.

ELIANE SILVESTRE disse...

querida, vi sua carinha lá no Poemas de Mil Compassos, bateu saudade e resolvi clicar em cima dela... que surpresa gostosa...que texto delicioso de se ler...que eu saiba vc mora em casa,não? tudo isto foi imaginação? visite meu blog tb ....
http://poemassilvestres.blogspot.com/
beijão

CLICK disse...

Uma janela indiscreta virou fichinha perto desse post !
Tu és grande ANDRÉA !!!!!!!!!!

Ricardo Mann disse...

Aaaargh!! Vida com vizinhos nos cergando por todos os lados... Mas se depender das minhas observações eu não poderei dizer nada da minha vizinhança.