8 de mai de 2010


Ter fé é algo com que me acostumei. Não penso muito nisso, não faço promessas, nunca as fiz, não rezo pedindo por milagres, mas confesso que rezo para Deus me dar calma para agüentar tanta idiotice no meu dia a dia. Acendo velas para meu anjo da guarda regularmente e durante crises eu aguardo que Deus me dê uma mãozinha, mas nunca o culpo se está ocupado demais para perceber meu desespero. Tenho fé e não sei de onde vem. Sei que está lá porque quando meu coração pesa , e eu não tenho com quem me confessar, conto minhas inseguranças e medos baixinho debaixo do edredom e sinto um alivio por acreditar que alguém me ouve e se compadece. Não tenho religião, não preciso desta bengala, sou feliz acreditando e tendo fé sem que ninguém me diga que é uma obrigação. Talvez seja minha rebeldia nata falando, mas não admito que homem, ou mulher, na terra se diga apto para entender a fé melhor do que eu e meu coração. Sou assim uma paria nessa sociedade onde se é preciso pertencer, pertenço somente a mim mesma e ao que acredito e acredito em tantas coisas... Hoje, recostada na cama, notebook na bandeja, tenho uma daquelas conversas com Deus, peço a ele que me dê paciência para conviver com aqueles que amo, mas me irritam, mais paciência ainda para continuar num trabalho em que meus superiores tem sempre dois pesos e duas medidas para tudo e, para não parecer que não sou grata, agradeço pela existência dos animais, do chocolate, da pipoca, da TV a cabo, dos amigos que nunca esquecem, do meu irmão que faz tudo valer a pena, dos meus dogs que me tornam sempre uma pessoa melhor, dos livros, da musica, perfumes importados, laranja lima, caixas de madeira coloridas, bichos de pelúcia, flores multicoloridas, canecas gigantes, manicures com senso de humor, banana com sorvete, computadores super potentes, mentes brilhantes, amores possíveis e fins de semana. Ah, e Chris Cornell. Amem.
.

4 comentários:

Ricardo Mann disse...

Parabéns pela sua forma de fé. Bem diferente da maioria que é meio retrógrada. OBS: Sou ateu de carteirinha (muito bem plastificada)

Mari Migliacci disse...

pela prima que acolhe tb!

Eu... disse...

Obrigado meu Deus, pelo companheirismo desta anfitriã e de seu dom com as palavras.

CLICK disse...

Minha amiga cristã:
Faltou sómente agradecer ao Criador pelo belo, majestoso,trinfante e sem preconceito de cor TIMÃO que vc torce. Bjs alvinegros e livrai-nos do mal, amém !