20 de jul de 2011

When destiny kick your ass


Minha impressão é que o destino ás vezes se cansa de esperar que você dê um rumo à sua vida e simplesmente te dá um pé na bunda, o lançando em um vôo cego que geralmente termina em joelhos esfolados, cara ralada, orgulho ferido, ego esmagado e muitas vezes falido. Claro que não reconhecemos esse tombo homérico como um chute do destino, vemos somente os pontos negros e tristes e nos fixamos tanto neles que esquecemos de aprender com nossos erros ou de reconhecer uma oportunidade única de mudarmos nossas vidas radicalmente.
Honestamente? Não é fácil. Não é fácil aceitar que o caminho em que estávamos, tão belo e seguro, não seja o único preparado para nós. Não é fácil olhar em volta e reconhecer oportunidades quando se está tão ocupado lamentando o que se perdeu.
Mas o belo de pés na bunda é que você pensa neles o tempo todo até entendê-los. É como aquele fim de namoro em que o motivo do fadado pé foi tão mal explicado, tão evasivo, que você simplesmente não consegue aceitar. E ai passa noites em claro pensando no ser outrora amado (lembrado agora pelo bonequinho de voodoo em que espeta suas agulhas toda noite) e tentando entender como mereceu um tratamento tão pífio. Depois da deprê habitual é normal que nos lembremos de sinais de que as coisas não andavam bem, sinais que ignoramos por ingenuidade ou pura estupidez, nessa hora pouco importa, e que começam a fazer sentido. No momento que entendemos podemos deixar para trás a dor e seguir em frente. A não ser que você seja o tipo masoquista e queira sofrer por um idiota por tempo indeterminado, então pare de ler esse post e vá comprar mais lenços de papel.
Mas não estamos falando de homens, e nem de mulheres, mas sim do terrível, delicioso, maquiavélico destino. Os passos são os mesmos, no entanto, você primeiro desespera, depois entra em depressão e finalmente começa a perceber que a experiência mudou seu eu, suas prioridades e mesmos os desejos que antes julgava conhecer tão bem. Dessa salada surgem qualidades inesperadas. Força, coragem, criatividade, coisas escondidas por anos de rotina somente quebrados pelo grande pé na bunda do destino.
Portanto, para você novato nos jogos da vida, não deixe que os primeiros estágios tomem muito seu tempo, procure pela saída mais próxima e corra para a próxima aventura, pois o que considera o grande desapontamento de sua vida hoje pode ser somente o primeiro passo para a felicidade plena de amanhã.

Nenhum comentário: