22 de ago de 2009

Maze


Algumas vezes minha mente fica em branco. É como se os dias fossem tão cheios que dentro de mim tudo para esperando por dias menos tensos, dias onde posso deixar a mente vagar pelo meu mundo particular, este Xangrilá onde as manhãs cheiram a lavanda, as tardes a jasmim e as noites a almíscar e relva fresca. Não parecem haver muitos destes dias ultimamente, eles parecem mais pequenas montanhas russas que me levam da mais profunda frustração à perfeita excitação pelo desconhecido. É como se estivesse entre dois mundos e somente quando escolher em qual deles quero fazer minha jornada, só então, talvez, eu descubra para onde a vida me leva. Não é tão ruim assim, mas é surpreendente. Em uma idade em que a maioria das pessoas já escolheu seu caminho e se encontra entediado com a rotina eu me reviro entre destinos excitantes e completamente inesperados. Não. Não é nada mal.
.

2 comentários:

maria guimarães sampaio disse...

Pronto, Andréa. Entendi porque andaste tantos dias afastada da bologosfera. Bom retorno. Beijo de Maria

Celso Ramos disse...

Esse é o puro "devir". Movimento constante onde passado, presente e futuro estão unidos e são sentidos por você. sobre o que é o tempo leia Santo Agostinho.
(confissões).
aguardo sua visita,
Abraços