8 de abr de 2008

Há alguns dias atrás...

“Eu não acredito!! Déia, porque você não escreve sobre isso!” E seu rosto de eterna menina parecia subitamente transtornado. Eu acabara de entrar em sua sala e é claro que não fazia a mínima idéia do que falava, mas ela logo me diz com a boca amarga e os olhos tristes.
Passam dias enquanto penso “Porque não escrevi sobre isso? Será por estar em todos jornais ou por que me enoja tanto?” Não sei, mas talvez eu tenha algo a dizer.
Há alguns dias atrás uma criança foi espancada, sufocada e depois jogada por uma janela. Se isto por si só não te virar o estomago é porque já está alem do meu alcance te tocar de qualquer forma. O que torna tudo ainda mais triste é que não é uma noticia estranha. Temos todos os dias manchetes como esta e até piores. Crianças arrastadas por carros como bonecos de pano sem valor, crianças torturadas por suas supostas protetoras, crianças largadas em latas de lixo, crianças mortas.
Odeio os noticiários, eles somente me lembram de quanto o mundo é odioso e podre. Não vejo muita esperança para este povo que parece ter esquecido sua humanidade em algum beco escuro, fedido e cheio de vomito. Parecem cada vez mais se afundar em desgraças que impactam por curto período por serem tão comuns. Alguns dias de surpresa e revolta e logo todos estarão mais preocupados com os descerebrados do BBB ou de outro reality show.
Talvez o que me vire o estomago não seja tanto a desgraça anunciada, mas sim o quanto ela é banal nesses dias. O que me transtorna realmente não é a violência, mas sim a completa insensibilidade do ser humano. Cada vez mais uma vida é somente uma folha que pode ser amassada e descartada sem um segundo pensamento.
A morte sempre nos sorriu ironicamente. Através dos séculos sempre houveram assassinos, sádicos e psicopatas nos observando, mas hoje, em nossos amargos dias, eles são a minoria. O que deve nos preocupar é aquele que está sentado ao nosso lado, nos sorrindo docemente até que o contrariemos.
A insensibilidade do ser humano já extinguiu muitas raças, milhares de espécies de animais, florestas inteiras, poluiu oceanos, contaminou o solo, agora, sem mais o que fazer, mata sua própria espécie como solução para qualquer simples problema.
Há alguns dias atrás uma criança foi espancada, sufocada e depois jogada por uma janela. Diga-me, por favor, que isso ainda te choca. Diga-me, por favor, que seu coração ainda sangra por ela. Diga-me que nunca poderá ler isso sem que seu corpo estremeça de repulsa.

3 comentários:

Amor. disse...

O ser humano não se suporta mais e aquele que ainda consegue algum equilíbrio, vive na corda bamba da vida ou da morte.
Nós herdamos muito poder para pouca sabedoria, é cocô no ventilador desde o Éden.
bjus.

Mirza disse...

Andrea!
Entrou o blog da academia..ehehhe
quando descuido entra sem querer.
grandes bjus.
Mirza
Fogo de Palha.

Thiago Quintella disse...

C... o texto todo é demais! Demaisde bom, mas qdo lembramos dessas paradas... os depoimentos, as circunstâncias! que revolta!!!